quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Homenagem ao Almirante Gago Coutinho

© 2006-2009 Presidência da República Portuguesa

Vice-Almirante Carlos Viegas Gago Coutinho (17.2.1869 – 18.2.1959)

A Sociedade de Geografia comemorou ontem dia 17 de Fevereiro, o 140º aniversário do nascimento do Almirante Gago Coutinho com uma Sessão Solene presidida pelo Presidente da República e uma exposição de parte do espólio legado pelo homenageado à instituição, que inclui as suas condecorações.

O Alm. Gago Coutinho, matemático e geógrafo insigne, foi um dos raros portugueses condecorado com o mais elevado grau de todas as ordens militares portuguesas: Grã-Cruz das Ordens Militares da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, de Cristo, de Avis e de Santiago da Espada. Era também Grã-Cruz da Ordem do Império Colonial e tinha a Medalha de Ouro de Serviços Distintos e a Medalha Comemorativa das Campanhas do Exército Português com passadeira “Timor, 1912-1913”.

Após a realização da primeira viagem aérea Lisboa-Funchal em 1921 num Hidrovão tripulado com o Capitão Tenente Piloto Aviador Artur de Sacadura Freire Cabral e o 1º Tenente Piloto Aviador Manuel Ortins Torres Bettencourt, o então Capitão de Mar e Guerra Carlos Viegas Gago Coutinho foi agraciado com o grau de Oficial da Ordem Militar da Torre e Espada, o mesmo tendo recebido o Capitão Tenente Piloto Aviador Sacadura Cabral e Manuel Ortis Bettencourt, o grau de Cavaleiro (Decreto 20 de Maio de 1921 (D.G. 114 / II Série / 1921).

A Grã-Cruz da Ordem da Torre e Espada foi-lhe atribuída, bem como ao Capitão Tenente PA Artur de Sacadura Cabral, após terem completado com sucesso a primeira parte da travessia aérea do Atlântico Sul entre Lisboa e Cabo Verde, primeiro no Hidrovião «Lusitânia» e, finalizando a viagem de Fernando Noronha-Recife-Rio de Janeiro, no hidrovião «Santa Cruz», hoje exposto no Museu da Marinha em Lisboa.

O Decreto de concessão dizia:
«Considerando que a viagem aérea, realizada pelos Oficiais de Marinha Gago Coutinho e Sacadura Cabral, demonstra a continuidade da missão histórica que glorificou a nacionalidade portuguesa, iniciadora e propugnadora das grandes descobertas que deram aos homens o conhecimento integral da Terra;
Considerando que, perante a evidência de tal demonstração, se fortalece no espírito nacional a consciência da própria grandeza, nunca desmentida em oito séculos de história;
Considerando que ao alcance patriótico da arrojada travessia se deve acrescentar a sua importância
científica, reconhecida por todo o mundo culto, que seguiu com alvoroço as peripécias da épica empresa;
Considerando que a rota aérea, reflectindo no espaço a esteira das naus descobridoras, mais uma vez une a velha metrópole ao povo que levantadamente perpetua além do Atlântico as gloriosas tradições da raça;
Atendendo a que a ponderada coragem e o metódico saber, tão brilhantemente manifestados pelos dois aviadores, os tornam dignos da mais alta recompensa honorífica que ao valor, à lealdade e ao mérito pode conferir o Governo da República:
Hei por bem, sob proposta do Ministro da Marinha, aprovada pelo Conselho da Ordem Militar da Torre e Espada, decretar que o Capitão de Mar-e-Guerra Carlos Viegas Gago Coutinho, e o Capitão-Tenente Artur de Sacadura Freire Cabral sejam condecorados com o grau de Grã-Cruz da Ordem da
Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito».
[Decreto 19 Abril 1922 (D.G. 91 / II Série / 1922]

Mais...

Entre as condecorações estrangeiras foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul (Brasil), o grau de Comendador da Legião de Honra (França), as Grã-Cruzes do Mérito Militar com Distintivo Branco e do Mérito Naval com Distintivo Branco (Espanha), Grã-Cruz da Ordem de Leopoldo II (Bélgica) e Grã-Cruz da Ordem da Coroa de Itália.
Mais…

Outra parte do espólio do Almirante Gago Coutinho, inlcuindo condecorações, encontra-se na Academia das Ciências de Lisboa.
----------------
Post em colaboração com Paulo Estrela, co-editor do Blogue

Nenhum comentário: