quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Napoleão III - Exposição «Ecrins impériaux. Splendeurs diplomatiques du Second Empire»


Museu Nacional da Legião de Honra e das Ordens de Cavalaria - Paris
19 Janeiro – 29 de Maio de 2011


A Exposição, inaugurada no passado dia 18 de Janeiro, no Museu da Legião de Honra, em Paris, reúne as insígnias das condecorações de Napoleão III, da Imperatriz Eugénia e do Príncipe Imperial.
Segundo o Catálogo, estas condecorações terão sido salvas do incêndio do Palácio das Tulherias que ocorreu em 23-24 de Maio de 1871, por acção dos Communards à aproximação do exército comandado pelo General Mac-Mahon.
Este conjunto de insígnias, a maioria das quais conservando os seus estojos de origem, foi doado, em 1979, pelo Chefe da Família Imperial, o Príncipe Luís Napoleão, à República francesa e depositado no Museu Nacional do Castelo de Compiègne.
Para além das insígnias da Ordem da Jarreteira, do Tosão de Ouro e das ordens imperiais russas, esta Exposição tem interesse acrescido para Portugal já que entre as insígnias exibidas se encontram as de ordens portuguesas conferidas ao Imperador, a sua mulher e ao príncipe imperial:

Imperador Napoleão III: Banda de Grã-Cruz das Três Ordens (Cristo, Avis e Santiago) (1854); Grã-Cruz da Ordem da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito (1852) e, Grã-Cruz da Ordem de Santiago da Espada (1865); de notar que o Imperador já era Grã-Cuz da Ordem desde 1852, mas el-Rei D. Luís I resolveu atribuir-lhe as novas insígnias resultantes da reforma de ordem de 1862; Imperatriz Eugénia: Dama da Ordem de Santa Isabel (1854); Príncipe Imperial: Banda de Grã-Cruz das Ordens de Cristo e de Avis (1865), Grã-Cruz da Ordem da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito (1861).

Por ocasião desta Exposição foi editado um luxuoso Catálogo sob a direcção de Anne de Chefdebien, conservadora do Museu da Legião de Honra e de Laurence Wodey, conservadora adjunta, com textos de Michael Autengruber, Nicolas Botta-Kouznetzoff, Laure Chabanne, Luciano Faverzani, Jean-Christophe Palthey e Patrick Spilliaert.

Nenhum comentário: